FolhaPress

Clínica de médico acusado de deformar narizes está interditada há 5 meses

Restrição foi decretada pela Vigilância Sanitária e impede a realização de procedimentos cirúrgicos

Foto: Divulgação

A clínica do cirurgião plástico Alan Landecker, investigado por deformar o nariz de pacientes, está interditada pela Vigilância Sanitária para a realização de procedimentos cirúrgicos há cinco meses. O consultório fica no Jardim Europa, área nobre na zona oeste de São Paulo.

A Secretaria Municipal de Saúde cita apenas “inconformidades em procedimentos cirúrgicos” para justificar a interdição, sem fornecer mais detalhes. Nova vistoria foi feita em 14 de outubro, quando foi constatada a obediência à interdição.

Por meio de nota enviada por seus advogados de defesa, o médico afirmou que “não é verdade que a Vigilância Sanitária de São Paulo tenha detectado alguma contaminação na Clínica Landecker”. O relatório de inspeção, segundo a nota, apontou a insuficiência de estrutura para cirurgias.

Como a Folha de S.Paulo mostrou, um grupo de ao menos sete ex-pacientes de Landecker procurou a Polícia Civil de São Paulo para registrar queixa contra o cirurgião. Eles reclamam de lesões no nariz e problemas de saúde (como perda de olfato, paladar e audição) provocados por infecção pós-rinoplastia estruturada.

O caso é alvo de investigação da Polícia Civil de São Paulo por lesão corporal. O Ministério Público e o Cremesp (Conselho Regional de Medicina de São Paulo) também analisam as denúncias.

A série de reclamações contra Landecker levou três dos mais renomados hospitais da capital (Sírio-Libanês, Vila Nova Star e São Luiz) a impedi-lo de realizar cirurgias em suas unidades.

Na sexta-feira (5/11), o hospital Albert Einstein informou que suspendeu o cirurgião plástico do quadro de médicos autorizados a realizar procedimentos no centro cirúrgico da instituição.

Uma vez procurado pelos pacientes com quadro de infecção bacteriana no pós-operatório, o cirurgião cobrava até R$ 17 mil para fazer novo procedimento de correção.

Por meio de seus advogados de defesa, Landecker afirmou que “informações envolvendo a relação médico-paciente são sigilosas por lei e não podem ser divulgadas publicamente”. Ele não quis comentar sobre os custos adicionais para reverter as intercorrências.

Em comunicado divulgado nas redes sociais e no site oficial da clínica, Landecker se pronunciou pela primeira vez sobre o caso nesta segunda-feira (8/11).

O médico afirmou que a cicatrização de rinoplastias é “imprevisível e incontrolável” e que, mesmo com o bom trabalho do médico, o processo de recuperação também depende de fatores ligados aos pacientes “como idade, saúde, imunidade, alimentação e seguimento das orientações médicas”.