Da redação
Do Mais Brasília

Confusão no camelódromo da Praça da Bíblia, em Goiânia

Advogado acusa policiais militares do Giro de agressão e tortura

Uma confusão com registros de agressão ocorreu na tarde desta quarta-feira (21), em frente ao Camelódromo da Praça da Bíblia, em Goiânia. Um advogado acusa policiais militares do Giro de agressão e tortura após, supostamente, ele ter tentado defender um flanelinha de ameaças e violências por partes dos agentes. Em um vídeo, um policial aparece desferindo socos em um homem que seria o advogado.

Em relato nas redes sociais, o advogado Júlio Meirelles contou que o também advogado Orcélio Júnior foi agredido após constatar que um policial militar estava ameaçando um “flanelinha” na região do Terminal Praça da Bíblia. De acordo com ele, ao questionar o abuso de autoridades, Orcélio foi agredido com socos e foi imobilizado pelos PMs.

Em um vídeo que já circula nas redes sociais, policial aparece dando tapas e socos num homem imobilizado e caído no chão, que seria o advogado Orcélio. Em outro, o defensor aparece machucado e falando sobre o ocorrido. Ele conta que foi agredido também no pátio da delegacia de Polícia e durante a triagem. Ainda segundo ele, um policial civil que não quis se identificar teria visto a agressão, mas não interviu.

OAB acompanha caso

Em nota, a Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Goiás (OAB-GO) repudiou o ocorrido e afirmou que a “truculência e o despreparo demonstrados pelos policiais nos vídeos chocam, basicamente, pelo abuso nítido na conduta dos policiais, que agiram de forma desmedida, empregando força além da necessária para o caso, em total descompasso com as garantias constitucionais, legais, e até mesmo contra as disposições contidas no Procedimento Operacional Padrão (POP) da Polícia Militar do Estado de Goiás”.

Em nota, a Polícia Militar (PM) afirmou que afastou o militar envolvido e abriu um procedimento administrativo disciplinar para apurar o caso. A corporação afirmou ainda que o advogado teria invadido o perímetro de segurança e sem se identificar. Além disso, segundo a PM, ele teria dado um soco no rosto de um dos policiais.

Já a Polícia Civil de Goiás informou que está “tomando as medidas cabíveis para esclarecimento dos fatos”

Texto: @tonpaulo1/Mais Goiás/Foto: Reprodução