FolhaPress

Flip 2021 terá Atwood, Alice Walker e Conceição Evaristo; veja programação

A Flip começa no próximo dia 27, em edição virtual

A Flip detalhou nesta quinta-feira a programação de 16 das 19 mesas da edição deste ano, que começa no próximo dia 27 e terá dois ou três debates todos os dias até 5 de dezembro.

O festival literário guardou para os 45 minutos do segundo tempo alguns dos nomes de maior peso do programa, como o da canadense Margaret Atwood e da americana Alice Walker.

A autora de “O Conto da Aia” participa da festa virtual no dia 1º, numa conversa com o cientista brasileiro Antonio Nobre, enquanto a escritora de “A Cor Púrpura” conversa com a mineira Conceição Evaristo, de “Ponciá Vicêncio”, no dia 4. Também está programado um diálogo entre o líder indígena Ailton Krenak e o professor Muniz Sodré, colunista deste jornal, como fechamento da festa no dia 5.

A presença indígena também abrirá o programa, com uma mesa com Carlos Papá e Cristine Takuá, que será seguida por uma conversa sobre literatura e plantas entre o curador Evando Nascimento e o botânico Stefano Mancuso, de “A Revolução das Plantas”.

Este ano, na guinada mais radical de sua história, a festa decidiu não ter um autor homenageado, mas um tema geral, discutindo o mundo vegetal e os saberes da floresta. Também é inédita a curadoria composta por cinco pessoas em vez de apenas um intelectual.

“Tem uma história contada da abertura até o encerramento”, afirma Hermano Vianna, um dos curadores, que ressalta que a experiência da Flip tem que ser percebida como um todo. “E queríamos que as mesas fossem as mais diversas possíveis, com cientistas conversando com a literatura, a poesia com a ficção.”

O número de conversas teve um aumento robusto em relação ao ano passado, de 12 para 19, o que revela que a organização dobrou a aposta de que o público segue ávido para acompanhar a festa de maneira virtual, sem a brisa litorânea de Paraty. Todas as conversas poderão ser acompanhadas gratuitamente no site da Flip.

Também curadora, Anna Dantes vê beleza na “suspensão da Flip para o mundo virtual” enquanto o território paratiense estará ocupado por manifestações do povo guarani. “Há uma preocupação que o virtual esteja cansativo, algo com que todo o mundo da cultura tem que lidar”, afirma a educadora sobre os nove dias de programação online. “Mas isso conversa muito com o tempo vegetal, e tudo vai estar gravado e ficará depois disponível, quase como um livro.”

Outros nomes que já tinham sido revelados tiveram agora divulgadas suas mesas. O romancista chileno Alejandro Zambra conversará com a poeta Ana Martins Marques, enquanto a angolana Djaimilia Pereira de Almeida dividirá mesa com a turca Elif Shafak. Já o filósofo italiano Emanuele Coccia conversará com a cantora Adriana Calcanhotto.

Também estão previstas duas mesas fortes mais dedicadas à poesia: a que reúne os brasileiros Leonardo Fróes e Júlia de Carvalho Hansen à chilena Cecilia Vicuña e a que traz o mineiro Edimilson Pereira de Almeida e a francesa Véronique Tadjo, de ascendência marfinense.

David Diop, que ganhou o mais recente prêmio International Booker por “Irmão de Alma”, participará ao lado de Micheliny Verunschk, que chamou a atenção com seu romance “O Som do Rugido da Onça”. Já Adriana Lisboa, do recente livro de poemas “O Vivo”, conversa com a coreana Han Kang, de “A Vegetariana” e “Atos Humanos”.

Kang participa da Flip pela primeira vez, o que não é o caso de boa parte dos nomes mais conhecidos da festa. Ao menos 12 convidados da programação divulgada são figurinhas repetidas de outras edições. Alguns, como Calcanhotto e Krenak, estiveram na última festa presencial, em 2019.
Veja abaixo a programação que foi divulgada até agora.
SÁBADO, 27/11
16h
Mesa 1: Nhe’éry Jerá (Abertura)
Com Carlos Papá e Cristine Takuá
18h
Mesa 2: Literatura e plantas
Com Stefano Mancuso e Evando Nascimento
Mediação: Prisca Agustoni
DOMINGO, 28/11
16h
Mesa 3: Naturalismo e violência
Com Micheliny Verunschk e David Diop
Mediação: Milena Britto
18h
Mesa 4: Folhas e verbos
Com Véronique Tadjo e Edimilson Pereira de Almeida
Mediação: Joselia Aguiar
SEGUNDA, 29/11
18h
Mesa 5: Plantas e cura
Com João Paulo Lima Barreto e Monica Gagliano
Mediação: Mônica Nogueira
20h
Mesa 6:
Em definição
TERÇA, 30/11
18h
Mesa 7: Zé Kleber: Micélios
Com Jorge Ferreira e Merlin Sheldrake
Mediação: Alice Worcman
20h
Mesa 8: Tecnobotânicas
Com K Allado-McDowell e Giselle Beiguelman
QUARTA, 1/12
18h
Mesa 9: Fios de palavras
Com Leonardo Froés, Júlia de Carvalho Hansen e Cecilia Vicuña
Mediação: Ludmila Lis
20h
Mesa 10: Utopia e distopia
Com Margaret Atwood e Antonio Nobre
Mediação: Renata Tupinambá
QUINTA, 2/12
18h
Mesa 11: Botânicas migrantes
Com Djaimilia Pereira de Almeida e Elif Shafak
20h
Mesa 12: Políticas vegetais
Com Kim Stanley Robinson e Eliane Brum
Mediação: Lucia Sá
SEXTA, 3/12
18h
Mesa 13:
Em definição
20h
Mesa 14: Vegetalize
Com Adriana Lisboa e Han Kang
Mediação: Guilherme Henrique
SÁBADO, 4/12
16h
Mesa 15:
Em definição
18h
Mesa 16: Em busca do jardim
Com Alice Walker e Conceição Evaristo
Mediação: Djamila Ribeiro
20h
Mesa 17: Ouvir o verde
Com Alejandro Zambra e Ana Martins Marques
Mediação: Rita Palmeira
DOMINGO, 5/12
16h
Mesa 18: Metamorfoses
Com Emanuele Coccia e Adriana Calcanhotto
Mediação: Cecilia Cavalieri
18h
Mesa 19: Cartografias para adiar o fim do mundo
Com Ailton Krenak e Muniz Sodré
Mediação: Vagner Amaro

Por Walter Porto