FolhaPress

Homem é baleado durante roubo a moto de luxo em frente ao clube Pinheiros (SP)

Disparos atingiram de raspão da cabeça da vítima, que aguardava o filho deixar prédio

Foto: Reprodução

Um administrador de empresas de 47 anos foi baleado na noite desta sexta-feira (15/10) em frente ao clube Pinheiros, no Jardim Europa (zona oeste de São Paulo), após ser abordado por dois criminosos armados.

O homem esperava pelo filho na porta do clube quando a dupla anunciou o assalto. A vítima estava sentada sobre uma moto BMW F 700 GS –o veículo era o alvo dos criminosos.

Os assaltantes também chegaram em uma motocicleta, um deles com uma mochila de entregador de produtos.

De acordo com testemunhas, após ser rendido, o administrador teria iniciado uma discussão com um dos criminosos, que, então, atirou três vezes contra ele. Um dos disparos atingiu de raspão a cabeça da vítima, e os outros dois pegaram no braço e na perna, ambos do lado direito do corpo.

A Polícia Militar foi acionada e, quando chegou, os criminosos já tinham fugido levando o veículo do administrador. A vítima estava caída no chão recebendo os primeiros socorros de um médico do clube.

“Ainda na área dos fatos, o administrador contou que estava parado com o veículo quando foi surpreendido por criminosos armados, que anunciaram o roubo e dispararam”, diz trecho de nota da Secretaria da Segurança.

A vítima foi socorrida para o hospital Albert Einstein, onde permaneceu em observação. Não há informações atualizadas sobre seu estado de saúde dele.

As investigações serão conduzidas pelo 14º Distrito Policial (Pinheiros) como tentativa de latrocínio -quando o criminoso tenta matar a vítima durante um roubo. As primeiras informações apontam que a placa do veículo usado pelos criminosos estava encoberta.

Conforme reportagem da Folha revelou, problemas de segurança na região de Pinheiros também levaram moradores da região a criar a Ames-SP (Associação de Moradores e Amigos da Estação Sumaré), com o propósito de cobrar das autoridades providências para a série de roubos e furtos no bairro.

“A ideia da associação surgiu como resposta para o problema do rápido aumento da violência nas ruas do bairro. Nos unimos e nos organizamos para, juntos, termos mais força na busca de soluções que amenizem a falta de segurança”, explica o artista plástico Rubens Kinjo, 50, um dos líderes do movimento.

“É uma forma de tentar ajudar a comunidade e um olhar pelo outro. A violência domina e os bandidos estão organizados. Nós temos que tentar nos proteger”.