FolhaPress

Homem é preso sob a suspeita de assediar, atropelar e matar jovem de 18 anos em SC

Segundo o relato, Juciano Gomes, parou o carro ao lado da vítima e a chamou de gostosa

Foto: Divulgação/Polícia Militar

Um homem de 35 anos foi preso em Itajaí (SC) sob suspeita de ter propositalmente atropelado e matado Vanessa Machowski, uma jovem de 18 anos, assediada por ele momentos antes.

O crime aconteceu na noite de domingo (10/10). O namorado da vítima relatou à Polícia Militar que ele estava conversando com Vanessa quando um homem passou dirigindo pelo local e abordou a moça. O namorado, cujo nome não foi informado, estava dentro da cabine de um caminhão estacionado, e Vanessa, do lado de fora.

Segundo o relato, Juciano Gomes, suspeito do crime, parou o carro ao lado da vítima e a chamou de gostosa. O namorado, então, desceu do caminhão para ver o que estava acontecendo. Em seguida, Juciano também teria deixado o carro, com sinais de embriaguez, e começado a brigar.

Ainda de acordo com o namorado, após alguns minutos de discussão, o suspeito voltou a entrar no carro e deixou o local em alta velocidade. Cinco minutos depois, porém, Juciano teria voltado para onde estava o casal e jogado o veículo em cima de Vanessa, esmagando-a contra o caminhão. Depois, deixou a cena do crime novamente em alta velocidade.

A Polícia Militar, após alguns minutos de busca, encontrou o suspeito deitado em uma rua com alguns cortes no rosto. O carro foi achado com a carroceria amassada entre o farol dianteiro e a porta do lado do passageiro, indicando colisão.

Durante a abordagem, Juciano confessou que jogou o veículo na direção da vítima. Como ele apresentava lesões, foi conduzido à UPA e, depois, foi preso em flagrante por suspeita de homicídio qualificado.

Ele também foi autuado por embriaguez ao volante -exames clínicos feitos na unidade de saúde atestaram que Juciano estava alcoolizado.

Vanessa recebeu atendimento no local pelos Bombeiros Militares, sendo levada para a UPA, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

Na segunda-feira (11/10), a juíza Anuska Felski da Silva, da 1ª Vara Criminal da Comarca de Itajaí, converteu a prisão em flagrante para prisão preventiva, entendendo que a medida é necessária para evitar a repetição de crime similar e assegurar a ordem pública.

Em sua decisão, a magistrada afirmou que o crime aparenta tratar-se de feminicídio.

“Todo esse contexto fático, ao menos a priori, e ainda considerando o contexto social de violência em relação às mulheres, demonstra que medidas cautelares alternativas são insuficientes para evitar que o réu venha novamente -e também em tese- a dirigir embriagado, insultar mulheres supostamente desconhecidas na rua e agir de modo a ceifar-lhes a vida”, escreveu a juíza.

Ao portal G1, a tia da vítima, Léia Oliveira, afirmou que Vanessa tinha o sonho de abrir o próprio salão na área de estética.

“Sempre muito querida com todos, carinhosa. Ela era extrovertida, sempre fazendo brincadeiras. Era uma menina que não via maldade nas pessoas. Tanto que ela viu o homicida vindo em direção do caminhão que eles [a jovem e o namorado] estavam, mas nunca imaginou que seria ela própria a vítima”, disse Léia ao site.

A reportagem ainda não conseguiu contato com a defesa de Juciano Gomes.