FolhaPress

Manifestantes se concentram na avenida Paulista e destacam marca de 500 mil mortos

Centenas de manifestantes já se reúnem em frente ao Masp no protesto contra Bolsonaro

Na avenida Paulista, em São Paulo, centenas de manifestantes já se reúnem em frente ao Masp (Museu de Arte de São Paulo).

Do alto do trio elétrico, oradores convidam os participantes a entoarem palavras de ordem como “mais vacina, menos cloroquina” e paródias como “Bolsonaro, eu não me engano, o seu governo é miliciano” enquanto o ato não é iniciado.

A chegada à marca de 500 mil mortos é lembrada por cartazes expostos na via e empunhados por manifestantes. “Meio milhão de mortes é genocídio”, diz um deles.

Há pessoas distribuindo e vendendo máscaras padrão PFF2, considerado o mais eficiente contra o novo coronavírus, e adesivos estampados com “Fora, Bolsonaro”.

Embora o ato tenha como pautas o impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), mais vacinas contra a Covid-19 e auxílio emergencial, ambulantes vendem camisetas do ex-presidente Lula (PT) e faixas com a inscrição “Lula 2022”. Há, ainda, pessoas usando máscaras personalizadas com o nome do petista. Lula não confirmou sua participação no ato deste sábado, embora tenha cogitado comparecer.

Bandeiras de PT, PC do B, PCO, PCB, CUT (Central Única dos Trabalhadores), Ubes (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas), UNE (União Nacional dos Estudantes) e CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil) já são agitadas pela avenida Paulista.