FolhaPress

Mortes e novos casos de Covid despencam em Serrana após vacinação em massa

O estudo do Butantan mostrou que as internações caíram 86%, os casos sintomáticos, 81%, e as mortes, 95%

Foto: Divulgação/Butantan

As mortes em decorrência da Covid-19 e os novos casos da doença despencaram em Serrana, cidade da região metropolitana de Ribeirão Preto, após a vacinação em massa de sua população.

O município do interior paulista foi escolhido para abrigar estudo inédito idealizado pelo Instituto Butantan sobre os efeitos da imunização em massa. Batizada de projeto S, a proposta consiste em analisar o impacto e a eficácia da vacinação na redução de casos do novo coronavírus e no controle da pandemia. Os participantes serão acompanhados por um ano.

No dia em que iniciou a vacinação, em 17 de fevereiro, Serrana computava 57 mortes e 2.499 casos da Covid-19. A cidade chegou ao final de junho, nesta quarta-feira (30), com 99 óbitos, num universo de 4.261 casos.

Os resultados eram esperados para a partir de 15 dias depois da aplicação da segunda dose, data que coincide com a última semana de abril. O estudo do Butantan mostrou que as internações caíram 86%, os casos sintomáticos, 81%, e as mortes, 95%.

O mês com mais óbitos na pandemia foi março, com 18, quando a vacinação ainda estava em sua etapa inicial. Desde então, as mortes caíram mês a mês, para 8 em abril, 7 em maio e 6 em junho –há dois óbitos em investigação.

Os casos também apresentaram queda: de 692 em março, recuaram para 235 em abril. Em maio, houve alta, com 333, mas ainda assim o total é inferior à metade dos registros de março. Em junho, foram 229, total mais baixo desde dezembro (231), quando ninguém ainda tinha sido vacinado no município paulista.

“A vacinação em massa foi um sucesso, reduzimos o número de casos positivos e o número de óbitos. Sabemos que teremos casos e também óbitos, pois os indivíduos respondem de forma diferente às vacinas em geral. Alguns desenvolvem mais imunidade, outros menos”, afirmou a secretária da Saúde de Serrana, Leila Gusmão.

De acordo com ela, o número de casos diminuiu dentro das expectativas da prefeitura.

“Mesmo com a grande maioria da população vacinada, ainda trabalhamos muito o uso de máscara, distanciamento social e também estamos vacinando ainda a população que não foi contemplada pelo projeto S e atualmente recebe a vacina pelo plano São Paulo, como as gestantes e comorbidades, entre outros”, disse.

Para o estudo do Butantan, a cidade foi dividida em quatro grupos, cada um deles recebendo as doses em uma semana. Depois de o último grupo receber a primeira dose da vacina Coronavac, o primeiro grupo passou a ser imunizado com a segunda dose.

O projeto conseguiu vacinar 95,7% dos 28.380 adultos da cidade, ou 27.160 pessoas com mais de 18 anos. A cidade tem 45.644 habitantes.

Das mortes registradas em junho, ao menos dois dos pacientes não tomaram a vacina, de acordo com a Secretaria da Saúde, e apresentavam comorbidades. Em outro caso, o paciente era um idoso de 85 anos que recebeu as duas doses da vacina, mas tinha diabetes e problemas renais.

Após a imunização da população, a cidade busca também reabrir de forma mais contundente suas atividades econômicas, de acordo com a prefeitura.

O prefeito Léo Capitelli (MDB) tem afirmado que a cidade tem condições de balizar a retomada das atividades após o estudo do Butantan mostrar a redução de mortes por Covid-19 no município.

Por isso, ao contrário do que ocorre em outras cidades da região, como Ribeirão Preto, as aulas na rede municipal de Serrana já foram retomadas em maio, com as salas divididas em três grupos -a cada dia, um dos grupos tem ensino presencial.