Do Mais Brasília

Operação da PF investiga empresas que sonegaram R$ 678 milhões em tributos

Policiais federais cumprem 55 mandados de busca e apreensão em sete estados

Polícia Federal (PF)
Foto: Divulgação/PF

A Polícia Federal (PF), em trabalho conjunto com o Ministério Público Federal (MPF) e Receita Federal, deflagrou, na manhã desta terça-feira (28/9), a Operação Blindagem para desarticular estrutura de empresas voltadas para a prática dos crimes de sonegação fiscal, falsidade ideológica e outras fraudes tributárias.

As investigações apontam que empresas conhecidas como “noteiras” e “blindadoras” emitiam notas fiscais inidôneas, simulando compra e venda de sucata de alumínio bruto, com a finalidade de gerar créditos fiscais fictícios às empresas do grupo principal investigado.

De acordo com a PF, há indícios de que, mensalmente, as empresas envolvidas ajustavam fluxo de quantidade de produtos de interesse, notas fiscais, pagamentos e até simulação de transporte de mercadorias inexistentes, com objetivo de confundir os órgãos de fiscalização, em especial quanto às operações fictícias de compra e venda de sucata de alumínio ou de alumínio bruto, descritas em notas fiscais.

Até o momento, os investigadores identificaram sonegações fiscais que atingiram a soma de, aproximadamente, R$ 678 milhões.

No total, 280 policiais federais cumprem 55 mandados de busca e apreensão, expedidos pela Justiça Federal em Taubaté (SP). Os trabalhos estão sendo executados em endereços de São Paulo, como Pindamonhangaba, Sorocaba, Mogi Mirim, São José dos Campos, além de outros estados da Federação, como Rio de Janeiro, Paraná, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal, Santa Catarina e Minas Gerais.

As investigações continuam e os envolvidos poderão ser responsabilizados pelos crimes de organização criminosa, sonegação fiscal, falsidade ideológica, uso de documento falso e fraude tributária.

Sucata de alumínio
Sucata de alumínio Foto: Divulgação/PF
Sucata de alumínio
Sucata de alumínio Foto: Divulgação/PF