FolhaPress

Rio antecipa calendário e prevê vacinar adultos até meados de agosto

A meta anterior para o término da campanha de vacinação era no fim de agosto. Novo cronograma foi divulgado pelo prefeito Eduardo Paes (PSD) nas redes sociais

Vacinação contra Covid-19
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O Rio de Janeiro antecipou novamente o calendário de vacinação contra a Covid-19 e agora pretende imunizar todos as pessoas acima de 18 anos com a primeira dose até meados de agosto. A meta anterior para o término da campanha era o fim de agosto.

O novo cronograma, divulgado pelo prefeito Eduardo Paes (PSD) nas redes sociais, prevê a aplicação em pessoas de no mínimo 37 anos nas próximas duas semanas, até o dia 17 de julho. O grupo antes estava previsto para 4 de agosto.

“A prefeitura do Rio tem capacidade para vacinar 80 mil pessoas por dia, estamos na metade disso. Havendo mais vacina a gente teria condições de acelerar muito mais. Mas de qualquer maneira já estamos muito adiantados, inclusive em relação ao segundo calendário que propusemos”, disse ele em entrevista à Globonews.

Nesta semana, cada data está reservada para uma idade: 44 anos nesta quinta (1º/7), 45 anos na sexta (2/7) e repescagem para todas as idades acima no sábado (3/7). Na semana que vem, serão um, dois ou três dias para cada idade, voltando a separar homens e mulheres.

Grávidas, puérperas e lactantes acima de 18 anos podem procurar os postos em qualquer dia, sendo que os dois primeiros grupos só estão recebendo a vacina da Pfizer e a Coronavac -as mulheres que já tomaram a primeira dose da AstraZeneca recebem a segunda dose da Pfizer, 12 semanas depois.

A regularização no calendário de entregas do Ministério da Saúde permitiu a antecipação, segundo a prefeitura. Até esta quinta, 58% da população adulta da cidade tomou a primeira dose e 19%, a segunda dose. No estado como um todo, porém, o ritmo segue mais lento, com apenas 34% parcialmente imunizados e 13% totalmente imunizados.

Na capital fluminense, cerca de 79 mil pessoas não haviam voltado para tomar a segunda picada no tempo certo até o último dia 20, o que representava 4% dos que já haviam atingido o prazo, segundo a Secretaria Municipal de Saúde. O município diz que está realizando a busca ativa dessas pessoas.

Sucessivas mudanças no calendário de vacinação e a adoção de datas específicas para repescagens daqueles que não conseguiram se imunizar nos dias previstos causaram confusão em parte da população carioca nas últimas semanas.

Entre abril e maio, quando o público-alvo eram as pessoas com comorbidades e deficiências, o cronograma elaborado pela gestão de Eduardo Paes abrangeu uma idade a cada um ou dois dias, com a possibilidade de quem perdeu a data se vacinar a qualquer momento.

Em junho, porém, quando começou a aplicação naqueles com menos de 60 anos, a Secretaria Municipal de Saúde passou a reservar as quartas-feiras para os profissionais da educação, e as quartas e sábados para repescagens, o que gerou entendimentos diferentes sobre quem podia ir aos postos de vacinação.