Da redação
Do Mais Brasília

Finalizada licitação para a construção do Hospital Oncológico de Brasília

Estrutura com capacidade para realizar 9 mil atendimentos tem prazo de três anos para ser concluída

Hospital Oncológico de Brasília . Arte: Divulgação/ Novacap

A Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) homologou a licitação para a construção do Hospital Oncológico de Brasília. A Endeal Engenharia e Construções Ltda., vencedora da concorrência, será contratada pela Secretaria de Saúde para executar a obra. O investimento, com recursos do Ministério da Saúde e disponibilizados pela Caixa Econômica Federal, será de cerca de R$ 100 milhões.

O hospital, especializado no tratamento do câncer, será construído em um terreno de 40 mil m² no Setor de Áreas Isoladas Norte (Sain), onde já funciona o Hospital da Criança. Serão 172 leitos disponíveis, dos quais 20 de UTI e 152 de internação. A obra terá um prazo máximo de três anos para ser concluída.

“Estamos passando por um momento delicado em que todas as prioridades giram em torno da saúde. O governador Ibaneis Rocha tem investido em hospitais e sua principal demanda é cuidar e proteger vidas. Essa obra tem um significado importante para nós”, destacou o presidente da Novacap, Fernando Leite.

Hospital de referência

A unidade contará com consultórios multidisciplinares, alas para tratamento de quimioterapia, radioterapia, medicina nuclear, endoscopia e salas de cirurgia conjugadas, além de exames de imagem como mamografia, ultrassom e raio-X.

Segundo projeção da Secretaria de Saúde, o Hospital Oncológico de Brasília terá capacidade de realizar até 9 mil atendimentos por ano. Uma boa estrutura para atender a demanda de pacientes oncológicos existente no Distrito Federal.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o DF registra anualmente cerca de 5.500 casos novos da doença em adultos. Os casos infantis são direcionados para o Hospital da Criança.

Centro de excelência

Atualmente, a rede pública de saúde atende os pacientes com câncer nos hospitais de Base (HBB), Regional de Taguatinga (HRT) e Universitário de Brasília (HUB). Mas, de acordo com a chefe da Assessoria de Políticas de Prevenção ao Câncer da Secretaria, Érica Batista, o reforço é mais do que necessário.

A especialista lembra ainda a importância de se ter um hospital de referência para diagnosticar e tratar a doença. “Será uma unidade com especialidade cirúrgica e oncológica, que vai favorecer o diagnóstico mais rápido”, pontua Érica. “Além disso, vamos centralizar o tratamento lá. Hoje, o paciente muitas vezes tem de fazer quimioterapia em um local e radioterapia no outro. Teremos um centro de excelência no DF”, finaliza.

* Com informações da Novacap