Do Mais Brasília

Operação Malibu: PM cobrava dívidas dos empréstimos com ameaças

Militar atuava ao lado do irmão e, juntos, chefiavam esquema de agiotagem

Foto: reprodução

Apontado como chefe de uma organização criminosa especializada em agiotagem, o terceiro sargento da Polícia Militar do DF (PMDF), Ronie Peter Fernandes da Silva também era o responsável por cobrar as dívidas dos empréstimos. Para isso, o militar ameaçava os devedores, segundo a Polícia Civil.

O sargento e o irmão, o empresário Tiago Fernandes da Silva, foram alvos da Operação S.O.S. Malibu, deflagrada na manhã desta terça-feira (16/11). Além deles, outros cinco integrantes da organização foram presos e diversos carros de luxo foram apreendidos.

O grupo é investigado por realizar o empréstimo de dinheiro a juros superiores aos permitidos por lei (usura ou agiotagem) e cobrava os valores mediante o emprego de grave ameaça. De acordo com a investigação da equipe da Divisão de Roubos e Furtos (DRF), durante as cobranças, além das ameaças, o grupo tomava veículos e exigia a transferência de imóveis dos endividados.

Nos últimos seis meses, a organização movimentou mais de R$ 8 milhões. Ainda segundo a PCDF, somente nos dois últimos anos, o grupo adquiriu oito veículos da marca Porsche, cada um com valor aproximado de R$ 1 milhão.

A apuração revelou que todo o dinheiro era distribuído em contas bancárias de empresas de fachada utilizadas para lavagem de dinheiro. Além disso, a aquisição de veículos de luxo era registrada em nome de terceiros.

“A engrenagem criminosa era altamente lucrativa e demandava saques em espécie de quantias milionárias. Em ação controlada comunicada à Justiça, a DRF acompanhou dois saques milionários, nos valores de R$ 800 mil e R$ 530 mil”, destacou o delegado e coordenador da Corpatri, André Luís Leite.