Do Mais Brasília

Projeto ObservaDF analisa cenários socioeconômicos de Brasília em live

Já na primeira pesquisa apresentada, pesquisadores avaliam os impactos da pandemia para os moradores da cidade

Foto: Luis Gustavo Prado/Secom UnB

Para conhecer melhor aspectos socioeconômicos da população do Distrito Federal e as ofertas de políticas públicas, bem como sua gestão e impactos, o projeto Observatório de Políticas Públicas do DF (ObservaDF) apresenta nesta quinta-feira (18/11) sua primeira análise em transmissão ao vivo a partir das 10h, pelos canais do YouTube e no Facebook. Com isto, serão apresentadas 11 pesquisas, uma a cada mês, sendo a primeira já divulgada no lançamento.

Vinculado ao Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília e ao Programa de Pós-Graduação em Ciência Política, o ObservaDF vai investigar e analisar dados sobre 6 eixos principais: políticas públicas em áreas prioritárias, como: saúde, educação, desenvolvimento econômico, segurança pública, meio-ambiente, assistência social, mobilidade urbana; política orçamentária; gastos públicos; qualidade do serviço público na percepção da população; mapeamento dos principais problemas das localidades do DF; mapeamento das potencialidades econômicas do DF.

Na equipe estarão os pesquisadores Lucio Remuzat Rennó Junior, Ana Maria Nogales Vasconcelos, Andrea Felippe Cabello e Frederico Bertholini Santos Rodrigues.
A pandemia como primeiro objeto de estudo

O primeiro tema apresentado é “A pandemia e a economia do DF: as vítimas de vulnerabilidade estrutural”. A pesquisa foi em busca de respostas mais específicas diante dos impactos da pandemia da Covid-19 na capital federal.

Na primeira observação do estudo, é possível verificar que as áreas centrais e a periferia metropolitana foram afetadas de formas diferentes, bem como grupos sociais distintos foram impactados de forma distinta. Para se ter uma ideia, a taxa de desemprego nas regiões mais pobres é superior à taxa de desemprego em todo o DF, chegando a ser praticamente o dobro em relação ao grupo de renda média-alta.

Também foi contatado a desigualdade de gênero, que se destacou com as consequências da pandemia. As mulheres continuaram a liderar os índices de desemprego, assim como na taxa dos chamados “nem-nem”, que nem estudam e nem trabalham.

No setor produtivo, os dados mostraram que o segundo trimestre de 2020 teve o pior resultado, sendo o setor de comércio o mais afetado ao longo de toda a pandemia. É constatada a recuperação da economia da capital federal, porém ela ainda não é homogênea a todos os segmentos. É preciso refletir sobre a concentração da estrutura produtiva do Distrito Federal, dependente do setor de serviços e de atividades presenciais, sendo necessárias políticas públicas a médio e longo prazo.

Em suas conclusões, notou-se a falta de políticas públicas que vão além da mera manutenção de renda e que tenham foco específico tanto nas famílias como nas empresas que as empregam. É necessária a ampliação dos projetos de transferência de renda já existentes nos momentos de crise, sem permitir interrupções no fluxo de renda das famílias em situação de vulnerabilidade.

Serviço:

ObservaDF
Live de lançamento: 18/11/2021
Horário: 10h
Transmissão: Pelo canal ObservaDF no YouTube e página no Facebook
Informações: www.observadf.org.br