Ana Lúcia Ferreira
Do Mais Brasília

Traficantes de drogas sintéticas no DF são alvo de operação da Polícia Civil

Operação deflagrada nesta quinta (1º/7) cumpriu mandados de busca e apreensão nas cidades de Águas Claras, Guará, Ceilândia, Samambaia, Santa Maria, Taguatinga, Vicente Pires, Jardim Botânico, Luziânia e Águas Lindas de Goiás

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) deflagrou, na manhã desta quinta-feira (1º/7) a Operação Baco, com o objetivo de combater o tráfico de drogas sintéticas no DF. Ao todo foram cumpridos 23 mandados de busca e apreensão nas cidades de Águas Claras, Guará, Ceilândia, Samambaia, Santa Maria, Taguatinga, Vicente Pires, Jardim Botânico, Luziânia e Águas Lindas de Goiás, região Metropolitana.

Durante as buscas, a PCDF encontrou diversos tipos de drogas, como ectsasy, maconha e haxixe, além de uma estufa para plantação de maconha, em uma das casas vistoriadas. Por este motivo. Um homem foi preso em flagrante por crimes de tráfico de drogas.

De acordo com a polícia esta foi a terceira fase da operação, que teve início em maio de 2019. Na época, a ação recebeu o nome de Tridente e teve como objetivo identificar e prender os traficantes responsáveis por realizar o contato com os produtores das drogas residentes no Estado de Santa Catarina. Esses entorpecentes, segundo a polícia, posteriormente eram transportados para o DF.

Na segunda fase, em fevereiro de 2020, a ação da polícia se voltou para à prisão de fabricantes de drogas sintéticas. Batizada de Poseidon, a operação teve como resultado a prisão de 12 pessoas envolvidas no crime, inclusive o líder do grupo que já havia sido preso, um mês antes, transportando 210 kg de cocaína.

Os presos da terceira fase seriam traficantes responsáveis pela comercialização das drogas em bares e festas e pelo serviço de entrega em domicílio (delivery). Segundo a PCDF, se condenados, o grupo pode cumprir mais de 30 anos de reclusão.

Ao todo, 160 policiais civis, entre delegados, escrivães e agentes de polícia participaram da operação.