Da redação
Do Mais Brasília

UnB cria aplicativo que facilita auxílio a pessoas vulneráveis na pandemia

Desenvolvido por professores e estudantes do curso de Engenharia de Software, o Mia Ajuda incentiva ações solidárias e é fruto de projeto financiado no combate à Covid-19

Universidade de Brasília (UnB)
Foto: Beto Monteiro/Secom UnB

Um aplicativo desenvolvido por professores e estudantes do curso de Engenharia de Software da Universidade de Brasília (UnB), no Gama, facilita o apoio de pessoas vulneráveis durante a pandemia de Covid-19. O Mia Ajuda aproxima voluntários de quem precisa de algum tipo de ajuda, seja de forma material ou não material.

A ferramenta está disponível para dispositivos Android e o download é gratuito. Por meio do site do projeto, é possível colaborar com a iniciativa. O foco da tecnologia não é conseguir aporte financeiro para pessoas que necessitam, mas sim estimular ações mais pontuais de assistência.

Um exemplo é a colaboração entre vizinhos que possam prestar favores, como a realização de compras para pessoas que não podem sair de casa durante a pandemia. Também é possível atender demandas por itens essenciais de higiene pessoal, alimentos e roupas, além de fornecer apoio psicológico, companhia e momentos de entretenimento, em que há espaço para compartilhar cultura, tocar um instrumento e contar histórias.

A ideia do aplicativo surgiu em 2020, no início da pandemia de Covid-19. Em uma reunião com professores da universidade Maurício Serrano, Fernando William Cruz e Milene Serrano discutiram formas de colaborar com a sociedade diante da crise sanitária, a partir de suas especialidades na área de engenharia de software. Após a discussão, os docentes divulgaram a proposta junto à graduação, com o intuito de reunir voluntários para desenvolver a tecnologia.

“A ideia de aproximar pessoas que precisam de ajuda daquelas que podem e querem ajudar pareceu-nos muito pertinente para mitigar alguns problemas decorrentes do isolamento social. Isolamento esse necessário para lidar com a pandemia de Covid-19, mas que demanda cuidados com as populações mais vulneráveis economicamente”, explica a coordenadora do projeto, Milene Serrano.

Como participar

Para receber assistência ou para ajudar, o interessado deve baixar o Mia Ajuda na loja de aplicativos e criar uma conta. É necessário fornecer nome, Cadastro de Pessoa Física (CPF), foto, data de nascimento, endereço (com CEP) e e-mail para verificação de cadastro.

A geolocalização é obrigatória durante o uso do app. Dessa forma, a ferramenta permite identificar quem precisa de auxílio nas proximidades da região da sua moradia e, assim, estimular a colaboração entre vizinhos. Ainda, é possível ajudar alguém de qualquer lugar do Brasil ao selecionar o pedido do qual deseja ser voluntário.

Após aceitar a ajuda pelo aplicativo, as partes envolvidas devem concretizar o processo via WhatsApp. O próprio Mia Ajuda direciona as duas pessoas para efetuar o contato por mensagens. Finalizado o processo, o usuário auxiliado deve sinalizar a conclusão dos trâmites na ferramenta. Os pedidos de ajuda são excluídos depois de finalizados.

O foco do alcance era o Distrito Federal e as regiões administrativas, mas foi possível viabilizar a abrangência nacional do Mia Ajuda. Hoje, na base de dados, existem usuários das regiões Nordeste e Sudeste.

Um dos serviços de ajuda que podem ser prestados na plataforma é o atendimento psicológico. Ao fazer o cadastro, o psicólogo voluntário deve assinalar a opção de que possui a formação na área da saúde. Os pedidos de ajuda referentes à saúde mental só serão visualizados pelos profissionais.

Para fazer o download do aplicativo, clique AQUI .

Saiba mais sobre o projeto clicando AQUI .