Agência Brasil

No Dia do Rock, Brasília resgata memórias do ritmo em rota turística

Projeto do GDF registra locais marcantes do DF em que o ritmo musical foi celebrado

Foto: Divulgação

Guitarras, baterias, sons e emoções no último volume. “Imagine ficar no exato local onde começou a banda Aborto Elétrico, a Legião Urbana, Capital Inicial, a Plebe Rude… Imagine saber o endereço onde começou aquela história”. A imaginação do músico Philippe Seabra, guitarrista de Plebe Rude, foi uma das responsáveis por tirar do papel um projeto de demarcar os endereços que fizeram Brasília (ou todo o Distrito Federal) ficar conhecida como a Capital do Rock.

Justo nesta terça-feira (13/7), Dia Mundial do Rock, o governo local inicia a implantação de placas de informação em 15 desses lugares. Ao todo, serão 41. Não à toa este roteiro foi batizado de Rota do Rock. Seabra é o curador dessa iniciativa – que tem recursos público-privados – para que, mesmo quando houver silêncio, os sons da memória toquem mais alto.

“Desde a década de 1960, tinham bandas de rock na cidade, como Os Primitivos, ou Os Régis, por exemplo. Com o Teatro Nacional ainda sendo construído, em 1966, eles já estavam tocando. Isso é muito clássico”, pontua Seabra. Ele entende que nessa Brasília, de endereços diferentes, de ruas batizadas por números de quadras da Asa Sul e da Asa Norte, o rock está por toda parte. “A preservação é um legado que quero deixar para o meu filho para que essa história não desapareça. Sem dúvida, Brasília ainda é a Capital do Rock”.

Influências

Entre o final da década de 1970 e início dos anos 1980, aqueles jovens, inspirados pelas novidades do punk rock norte-americano, inventaram uma forma de fazer o ritmo com temas brasileiros. Encontravam-se nas garagens de casa e do prédio para fazer suas canções. “Desde muito pequeno, aquilo me chamava atenção, a partir da adolescência. Aquele movimento mudou a história do rock brasileiro. Plebe Rude, inclusive, chega em 2021 também aos 40 anos de história”, diz o guitarrista.

A secretaria de Turismo do Distrito Federal explica que, quando o visitante chegar a um desses locais, poderá conhecer um resumo da história que aconteceu ali a partir de um QR Code que estará visível no local. As placas terão iconografia e identificação por uma nota musical.

Nesta terça (13), é inaugurada a placa da Torre de TV. Ainda nesta semana, outras 14 peças serão colocadas, em lugares que já são espaços turísticos, como a Ermida Dom Bosco, mas também em frente a prédios que poderiam passar despercebidos por quem não conhece os detalhes. No conjunto residencial da Colina, onde residem professores e estudantes da Universidade de Brasília, por exemplo, aqueles jovens roqueiros se reuniam para compor e tocar, e assim ficaram famosos como “Turma da Colina”.

Aliás, esse é um dos locais destacados pela irmã de Renato Russo, a professora e cantora Carmen Manfredini (assista também à entrevista na TV Brasil). “Eu acho que há vários lugares marcantes que influenciaram a obra do Renato e que o incentivaram a compor as músicas. Entre eles, a Colina. Eles fizeram muitas coisas juntos, com o que viria a ser o Capital Inicial. Foi um dos lugares embriões da formação do Aborto Elétrico, que foi a banda punk deles, em 1977”.

Quem for lá vai saber mais como eram os encontros dos músicos que começaram a tocar nos gramados e nas entrequadras e ganharam os palcos de todo o país. Para se ter uma ideia, pelo menos 26 bandas da cidade chegaram às grandes gravadoras nos anos 80 e 90. Fora do Plano Piloto, Philippe Seabra, diz que há espaços que fazem parte da história em cidades como Guará, em Taguatinga e no Gama, que receberam shows inaugurais dessas bandas.

Pertencimento

Pesquisador pela Universidade de São Paulo (USP), o historiador Daniel Savillano estudou no doutorado o fenômeno do rock dos anos 1980. Ele explica que a capital foi influenciada por uma série de conjunturas e que o rock passou a ser parte da identidade cultural da cidade.

“Essa circulação de ideias em Brasília foi marcante também pela origem desses jovens, de classe média. Essa é uma construção de capital do rock e isso faz parte da cultura nacional”. Para ele, o rock foi uma expressão da época que tem relação com o momento histórico e precisa ser resgatada. “A memória, de fato, precisa ser preservada. Isso cria uma ideia de pertencimento. Afasta a ideia apenas de que Brasília tem apenas prédios administrativos. Esse resgate de toda obra é fundamental”.

Carmen Manfredini concorda que a iniciativa é essencial. “Uma das características do nosso país é não preservar. Mesmo que seja recente, a memória se apaga. É mais do que bem-vinda. Incentiva a educação nos adolescentes e também nas crianças sobre quem foram esses músicos”. Philippe Seabra entende que a Rota do Rock poderá mobilizar os atuais jovens roqueiros a se interessarem mais pelo legado daqueles que começaram a construir essa história.

Carmen Manfredini relata que Renato Russo foi um desses rapazes curiosos que procuravam endereços e histórias para transformar em versos. “As pesquisas do Renato eram nas ruas. Ele visitava as cidades-satélites e saiu daquela vida de menino privilegiado para contar histórias dos menos favorecidos, como ocorre em Faroeste Caboblo e Dezesseis. Ele conversava com as pessoas nas ruas. Dentro do quarto ele não iria descobrir. Foi assim que ele se transformou em poeta”.