FolhaPress

Cancelamento que vivi no Rock in Rio era racismo, diz Carlinhos Brown

Brown abria o dia de apresentações dedicadas ao metal, que tinha como destaque a banda Guns N' Roses

Foto: Globo/João Cotta

“Nada me atinge!”, frase dita aos berros por Carlinhos Brown, marcou o Rock in Rio de 2001. Vestindo um cocar, o músico reagia a vaias e garrafadas da plateia. Brown abria o dia de apresentações dedicadas ao metal, que tinha como destaque da programação a banda Guns N’ Roses. Após duas décadas do episódio, o músico de 58 anos enxerga hoje, naquelas vaias, um “dos primeiros cancelamentos”.

“Precisamos de tempo para observar o que são as coisas. E o cancelamento talvez seja a síntese [daquele episódio]. E dentro do cancelamento tem tudo: tem racismo, preconceito contra o gênero, contra a música”, afirma o cantor.

“Eu era um artista muito mais frágil naquele momento, com expectativas gigantes jogadas naquele momento, eu já estava com música estourada –já tinha criado, com meus amigos, o axé music. Mas eu era frágil com inocências antropofagistas. Me vestia como índio, eu não queria me vestir como o cara do rock ‘n’ roll.”

A terceira edição do festival, em 2001, foi marcada pela crítica de músicos brasileiros, que buscavam cachês maiores e horários mais nobres, reservados às atrações estrangeiras. Naquele ano, por exemplo, seis bandas brasileiras –Skank, O Rappa, Raimundos, Cidade Negra, Jota Quest e Charlie Brown Jr– boicotaram o evento.

“Que bom que houve aquele choque porque a gente sabia que, no Rock in Rio, a palavra rock, suas quatro letras, era maior que Rio. Mas a gente também estava dizendo que o Rio é enorme. A música brasileira precisava ser mostrada.”
Brown crê que essa provocação foi feita, na época, pelo empresário e dono do festival, Roberto Medina, que o escalou para se apresentar no mesmo dia de bandas de rock mais pesado. Hoje, é o músico quem faz a provocação –quer voltar aos palcos do festival. “Queria fazer um convite, quero fazer aquele show de novo.”

Brown afirma que a música periférica, como o funk, carrega aquele mesmo preconceito vivido por ele, porque também tem raízes africanas. “O nosso funk precisou de um neologismo para ser aceito. Porque, na verdade, é a macumba que se eletronizou. Quando olho o funk, eu vejo o candomblé eletrônico.”

Quando se trata de dar aula sobre música, Brown se empolga. O músico e apresentador participa da série Criatividade Tropical: Abre as Portas para o Gueto, feita pelo Globoplay em parceria com a marca de cerveja Devassa. Com episódios apresentados pela cantora Iza, a produção aborda o processo criativo da música produzida nas periferias do país.

“Minha responsabilidade é replicar o passado a partir da música. Isso é criatividade tropical, nossa criatividade tem muito mais beleza, e é mais comunicativa para as favelas do que a dor”, afirma o cantor.

Este ano também marca os 30 anos da criação do Timbalada, banda de samba-reggae criada por Brown em 1991 que revolucionou a música brasileira –e influencia hoje artistas nacionais e internacionais, de Anitta a Beyoncé. O grupo que reunia mais de 400 instrumentistas nas ruas do bairro soteropolitano do Candeal, onde ele vive até hoje, foi um projeto sonhado.

“Eu sonhei e disse ‘preciso fazer isso’. Vendi um carro, meu primeiro carro, para carregar os instrumentos de percussão. Fui chamando meninos iniciantes para passar uma prática que não havia. Juntar dois timbais já era muito difícil, imagina cem.”

Brown, naquele contexto, também foi o criador da bacurinha –repinique de oito polegadas tocado com duas baquetas de nylon–, um dos instrumentos básicos do pagode baiano, ritmo que hoje ocupa o espaço do mainstream que já foi do axé. “A bacurinha começou a se misturar e trazer essa sonoridade brasileira que você tem nos agudos das escolas de samba, mas sintetizada em instrumentos como o timbal”, explica.

Para Brown, essa nova musicalidade renovou a música brasileira. “Essa experiência terminou trazendo um adendo maravilhoso –que eu chamo de inovação do samba, travestido com o nome de pagode”, diz o músico. “Parece que o samba não se renova, mas ele se renova todo dia nesse país.”

Três décadas depois, Brown se diz surpreso com o alcance do movimento que, naquele momento, buscava criar novas bases para a música com o protagonismo do timbal, instrumento que inspira o nome do grupo.

“O que eu menos esperava era que a Timbalada viesse a ser uma influência de sonoridade. Quem terminou tendo toda a responsabilidade por esse crescimento foram meus alunos”, diz ele, citando o percussionista Márcio Victor, do Psirico.

Entre os projetos que Brown assina, neste ano, está a trilha do espetáculo “Cura”, produzido pela coreógrafa Deborah Colker. Fazer trilhas sonoras para filmes e musicais é um dos trabalhos que o fazwm ser reconhecido mundo afora.

Além da indicação ao Oscar de melhor canção em 2012 pelo filme “Rio”, o cantor costuma marcar presença no time de jurados brasileiros da Academia que concede o prêmio hollywoodiano. Questionado sobre a falta de indicações para títulos brasileiros, Brown diz que os produtores nacionais não precisam se sentir rebaixados pela ausência na premiação.

“Com todo o respeito à Academia, quem disse que o Brasil precisa de uma chancela internacional para se sentir bom? Somos bons. E se vier isso, teremos um olhar de congratulação do outro, mas não precisamos de uma chancela dos Estados Unidos. O Brasil é bom e pronto. Ganhar um Oscar é bom porque respeitamos o prêmio, mas não é a finalização total. Nosso ponto final é criar e ser criativos.”

Por Jairo Malta