FolhaPress

Início de Sylvinho no Corinthians é pior do que no Lyon

Até aqui, em 11 partidas, foram apenas 36% de aproveitamento dos pontos disputados

Foto: Agência Corinthians

Técnico do Corinthians desde a última semana do mês de maio, Sylvinho ainda não conseguiu engrenar bons números no clube. Até aqui, em 11 partidas, foram apenas 36% de aproveitamento dos pontos disputados e uma eliminação na Copa do Brasil. O trabalho é pior do que o apresentado no Lyon (FRA), quando o treinador foi demitido após o mesmo número de partidas.

Substituto de Vagner Mancini no Corinthians, Sylvinho chegou ao Corinthians com apenas um trabalho anterior na carreira: o Lyon. No clube francês, foram 11 partidas disputadas -nove delas pelo campeonato nacional e outras duas pela Liga dos Campeões da Europa. Por lá, foram três vitórias, quatro empates e quatro derrotas, com 39% de aproveitamento.

Em termos de produtividade, o trabalho no Velho Continente também foi superior. Isso porque, no período, o Lyon de Sylvinho marcou 17 gols, com média de 1,54 por partida. No Corinthians, o comandante encontra sérias dificuldades com o sistema ofensivo e conseguiu balançar as redes do seus rivais em sete oportunidades, com média de 0,64 por jogo.

O único ponto em que o trabalho de Sylvinho no clube do Parque São Jorge apresenta superioridade em relação ao período do treinador na França está no aspecto defensivo, mas a diferença é mínima. No Lyon, foram dez gols sofridos, enquanto no Corinthians, com uma linha defensiva usualmente formada com Fagner, João Victor, Gil e Fábio Santos, foram nove gols.

No Lyon, em junho de 2019, Sylvinho não aguentou a pressão externa pelo início ruim no Campeonato Francês e acabou sendo demitido. No Corinthians, embora os números sejam piores e a equipe esteja na modesta 12ª colocação no Brasileiro, o cenário é diferente. A diretoria de futebol mantém o comandante no cargo e nem sequer cogita uma mudança.

Até o fim desta temporada, o clube do Parque São Jorge disputará apenas o Brasileiro. A expectativa é de que o elenco receba um ou dois reforços para o ataque nos próximos meses.