FolhaPress

Cidades chinesas vão penalizar a quem se recusar a tomar vacina

Não foi detalhada, porém, qual será a punição

Máscara facial
Foto: Agência Brasil

Como parte de uma estratégia de tolerância zero, ou eliminação do coronavírus, ao menos 12 cidades chinesas anunciaram que vão punir os residentes que se recusarem a receber a vacina contra a Covid-19 caso ocorram novos surtos da doença nesses territórios. Não foi detalhada, porém, qual será a punição.

As autoridades locais disseram apenas que “responsabilizariam” os não vacinados que fossem responsáveis por espalhar a doença -estão excluídos aqueles que não tomaram o imunizante por indicação médica.

Na última semana, medida semelhante foi anunciada em cidades da província central de Hubei, onde os hesitantes entre 12 e 17 anos ou com mais de 18 podem ser impedidos de trabalhar e entrar em hospitais e estações de trem.

Com 54% da população vacinada, de acordo com os dados mais recentes, o país asiático vem reforçando medidas de erradicação da doença e adotando abordagens mais rigorosas. O principal temor é a variante delta, que motivou novo surto em julho, mesmo após uma trajetória exitosa no combate ao vírus.

Nesta segunda-feira (23), a China não registrou novos casos de Covid transmitidos localmente pela primeira vez desde o último mês, segundo informou a Comissão Nacional de Saúde. As autoridades projetam que a porcentagem de imunizados precisa chegar a 80% para que o país alcance a imunidade coletiva.

O anúncio das possíveis punições não foi bem recebido por parte dos chineses. Na plataforma Weibo, similar ao Twitter, alguns expressaram indignação com a política, que iria contra as liberdades individuais.
As determinações dos governos locais parecem ainda não ter encontrado eco a âmbito nacional, já que o regime liderado por Xi Jinping não anunciou punição semelhante para todo o país. Ao Global Times, de Pequim, ligado ao Partido Comunista Chinês, um professor de política pública da Universidade Tsinghua criticou a medida.

Xue Lan disse que as determinações locais não significam que o país mudou sua política de vacinação, hoje voluntária, para obrigatória. “A pressão sob os governos locais não é justificativa para forçar as pessoas a receberem a vacina”, declarou. “Eles devem encontrar melhores maneiras, como fornecer dados concretos e boas histórias, para dizer às pessoas por que a inoculação é importante.”

Um leque de outras medidas também tem sido posto em prática por diferentes províncias chinesas na tentativa de erradicar a doença. Visitas de porta em porta e veículos de vacinação móvel fazem parte da estratégia.

Funcionários públicos têm organizado o transporte de idosos que vivem em regiões rurais e montanhosas até postos de vacinação que ficam a mais de 10 quilômetros de distância, como já foi feito na vila de Changfeng, na província de Sichuan.

Alguns locais de vacinação também prolongaram o horário de trabalho até às 22h, para atrair mais cidadãos, e cidades como Taishan providenciaram veículos de vacinação móvel para os locais mais distantes e de difícil acesso.

Ainda que a pandemia e o consequente fechamento das fronteiras não tenham impedido o crescimento do PIB chinês em 2020, alavancar as atividades econômicas está entre os motivos para a política de tolerância zero.

O país reabriu nesta quarta um dos principais portos de transporte de mercadorias do mundo, o de Ningbo-Zhushan, parcialmente paralisado devido a um surto de Covid entre os funcionários. O terminal estará operando normalmente a partir de 1º de setembro, segundo informações da televisão estatal CCTV. Somente em 2020, 1,2 bilhão de toneladas de mercadorias passaram por ele.