FolhaPress

Milhares saem às ruas nos EUA em defesa do direito ao aborto

Neste sábado (2/10) ocorreu a Marcha das Mulheres em várias cidades dos EUA

Foto: Reprodução

Milhares de pessoas saíram às ruas neste sábado (2/10) em várias cidades dos Estados Unidos para protestar em defesa do direito ao aborto.

As manifestações da Marcha das Mulheres, evento realizado anualmente desde 2017, foram convocadas por cerca de 200 organizações da sociedade civil em mais de 650 localidades em todos os 50 estados do país.

Neste ano, o foco da Marcha das Mulheres são os direitos reprodutivos, que os organizadores dos atos dizem estar sob ameaça no país.

“Este é um momento de urgência para pessoas em todo o país”, disse Rachel O’Leary Carmona, diretora executiva da Marcha das Mulheres. “Muitos de nós crescemos com a ideia de que o aborto seria legal e acessível para todos nós, e ver isso sob risco real tem sido um momento de despertar”.

No Texas, estado em que entrou em vigor no início de setembro a lei antiaborto mais restritiva do país, os manifestantes se reuniram em frente ao Legislativo estadual em Austin. O grupo carregava cartazes com críticas à legislação e ao governador Greg Abbott, do Partido Republicano.

Já na capital americana, Washington, o trajeto da manifestação incluiu a Suprema Corte, tribunal que garantiu o direito ao aborto nos Estados Unidos em 1973 e que poderá rever a decisão em um julgamento que será retomado a partir da próxima segunda-feira (4/10).

“As mulheres deveriam poder decidir o que fazer com seus corpos, ponto”, disse Laura Bushwitz, 66, professora aposentada que compareceu ao protesto em Washington. “Estou cansada que me digam o que posso ou não posso fazer […] Ouviu, Suprema Corte?”

Atos pelo mundo Ao longo da última semana, manifestações encabeçadas por grupos de mulheres ocorreram em vários países, em ocasião do Dia Internacional do Aborto Seguro, celebrado em 28 de setembro.

Atos em defesa do direito ao aborto foram realizados em México, Peru, Brasil, El Salvador e Espanha nos últimos dias.

No México, os protestos comemoraram a decisão da Suprema Corte, que descriminalizou o aborto no país no último dia 7 de setembro. Os estados do país ainda precisam regulamentar a prática.