FolhaPress

Aziz pede que Bolsonaro responda se denúncias da Covaxin são falsas e se líder do governo é honesto

Durante sessão da CPI, Omar respondeu a uma fala do presidente a apoiadores, na entrada do Palácio do Alvorada, na qual sugeriu casos de corrupção envolvendo Aziz

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Mateus Vargas, Raquel Lopes e Renato Machado

O presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), afirmou que a cúpula da comissão está enviando uma carta ao presidente Jair Bolsonaro, questionando se o deputado Luis Miranda (DEM-DF) fala a verdade quando menciona que levou suspeitas de irregularidades na compra da Covaxin ao chefe do Executivo.

Miranda também acrescenta que o presidente teria dito que se tratava de um “rolo” do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR).

Durante sessão da CPI, Omar respondeu a uma fala do presidente a apoiadores, na entrada do Palácio do Alvorada, na qual sugeriu casos de corrupção envolvendo Aziz.
“Eu nunca te chamei de genocida, nunca o chamei de ladrão, nunca disse que o senhor fazia rachadinha no seu gabinete”, disse o presidente da comissão.
“E o senhor vai para o cercadinho [criticar oponentes] aonde devem ficar pessoas que não têm conteúdo para debater a crise nacional”, completou.

Aziz então mencionou que estão enviando a carta pedindo manifestação a respeito das denúncias de Miranda. “É só uma resposta, senhor presidente. Por favor, diga para a gente que o deputado Luis Miranda é mentiroso, diga para a nação brasileira que seu líder na Câmara é um homem honesto”, disse.

Após ter entrado em conflito com as Forças Armadas, que soltaram uma nota o criticando, o presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), disse que criticou alguns atores políticos e não as Forças Armadas.

“Ontem, não misturei as Forças Armadas com alguns que estão a serviço desse governo. Tanto é que quando o General [Eduardo] Pazuello esteve aqui, podem procurar no depoimento, eu o chamo de ex-ministro da Saúde”, disse o presidente do colegiado.

“General Paulo Sérgio é testemunha que quando entrou em contato comigo dizendo que o Pazuello tinha estado com contato com pessoas que tinham Covid, ele pediu 14 dias para vir depor, na mesma hora eu disse que sim”, completou.

FORÇAS ARMADAS
Após ter entrado em conflito com as Forças Armadas, que soltaram uma nota o criticando, o presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), disse que criticou alguns atores políticos e não as Forças Armadas.

“Ontem, não misturei as Forças Armadas com alguns que estão a serviço desse governo. Tanto é que quando o General [Eduardo] Pazuello esteve aqui, podem procurar no depoimento, eu o chamo de ex-ministro da Saúde”, disse o presidente do colegiado.

“General Paulo Sérgio é testemunha que quando entrou em contato comigo dizendo que o Pazuello tinha estado com contato com pessoas que tinham Covid, ele pediu 14 dias para vir depor, na mesma hora eu disse que sim”, completou.