FolhaPress

CNPq restabelece acesso à plataforma Carlos Chagas após 23 dias de apagão

Foram divulgados novos prazos para submissão de projetos de oito chamadas públicas que estavam congeladas

Foto: Reprodução/CNPq

O governo Jair Bolsonaro anunciou nesta segunda-feira (16/8) o restabelecimento total da plataforma Carlos Chagas, fora do desde 23 de julho. Foram divulgados novos prazos para submissão de projetos de oito chamadas públicas que estavam congeladas, mas o período para indicação de novos bolsistas no mês de agosto terá nova data comunicada em breve.

O sistema ficou 23 dias fora do ar após uma falha que atingiu os servidores do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), agência federal de fomento à pesquisa. O acesso à plataforma Lattes, também atingida pela falha, havia sido normalizado no dia 8 deste mês.

A inoperância da Carlos Chagas comprometeu a continuidade de projetos pelo país, além de prejudicar o trabalho técnico do CNPq. Criada em 2007, a plataforma é a principal interface entre os pesquisadores e o órgão.

Pela Carlos Chagas são operacionalizadas chamadas públicas e editais de fomento à pesquisa e feitos a gestão e o pagamento de bolsas, além de prestações de contas. O tempo prolongado do apagão causou apreensão entre pesquisadores.

Cerca de 84 mil bolsistas são financiados com recursos do CNPq. O órgão apoia atualmente 2.201 projetos de pesquisa, segundo dados oficiais.

O problema travou a continuidade de chamadas públicas que envolvem bolsas de produtividade para pesquisadores, terapias avançadas e eventos científicos, por exemplo. Os editais tinham prazo final para submissão entre 25 de julho e 20 de agosto, período em que a plataforma ficou fora do ar.

Os novos prazos variam agora entre 20 de agosto e 8 de setembro, o que representa atrasos para efetivação dos apoios federais. “As propostas submetidas até o dia 23 de julho, quando iniciou a indisponibilidade, estão resguardadas”, diz nota do CNPq. O órgão garante que nenhuma informação foi perdida.

O apagão, segundo informação oficial do CNPq, foi provocado pela queima de um dispositivo do controlador dos servidores onde as plataformas são hospedadas. Isso teria ocorrido durante a migração de dados para um novo servidor.

De acordo com o CNPq, a demora para resolver a situação teve relação com o processo de transferência dos dados para novo servidor. Optou-se, disse o conselho, por migrar todos os dados, sistemas e serviços para um novo equipamento antes de restabelecer o acesso à plataforma Carlos Chagas, “para garantir mais segurança e estabilidade, e ainda ter uma solução definitiva”.

O principal servidor do CNPq, atingido pela falha, estava fora da garantia e sem contrato de manutenção. Questionado, o órgão afirmou que um grupo de trabalho “atuará na avaliação criteriosa das condições que geraram o problema”.

Pesquisadores veem a redução de orçamento como parte da causa do problema. A necessidade de melhorias e investimento nas plataformas vinham sendo tratadas oficialmente pelo CNPq ao menos desde setembro passado.

Os recursos direcionados para o CNPq passam por enxugamento nos últimos anos, intensificado no governo Bolsonaro. O órgão é ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações.

O conselho tem em 2021 o menor orçamento ao menos desde 2012, mesmo em valores nominais. A dotação atualizada do órgão para o ano é de R$ 1,2 bilhão –de 2013 a 2015, por exemplo, o orçamento executado superou R$ 2 bilhões por ano.

Também houve uma redução de 34% no número de servidores de 2015 a 2020. Agora, são 316 funcionários, contra 478 em 2015.

Dados indexados na base Web of Science e colhidos pelo conselho mostram que 40% da produção científica brasileira teve apoio, em 2020, do CNPq. Em 2015, esse percentual era de 44,5%, mas, ainda assim, a proporção atual posiciona o CNPq como a maior agência de fomento do país.

Por Paulo Saldaña