FolhaPress

CPI pede que MP DE SP investigue caso Covaxin e suspeito de financiar fake news

O pedido da comissão aconteceu porque envolve empresas e pessoas que moram em São Paulo

Covaxin
Foto: Divulgação

A CPI da Covid, do Senado Federal, entregou nesta quarta-feira (10) ao Ministério Público de São Paulo o relatório final da comissão e pediu que o órgão abra investigações sobre o contrato e intermediação de compra da vacina indiana Covaxin e Otávio Fakhoury, suspeito de financiar a disseminação de notícias falsas.

O pedido da comissão aconteceu, segundo o senador e vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), porque envolve empresas e pessoas que residem no estado de São Paulo. No entendimento dos senadores, a competência de focar às investigações nos dois alvos é do MPSP.

Um arquivo robusto de informações sigilosas será analisado pelos promotores que, adiante, decidirão se ampliam ou não as investigações.
O procurador-geral de Justiça do MP paulista, Mário Sarubbo, chamou as informações trazidas pela CPI de “estarrecedoras” e confirmou que elas serão analisadas.

“É fato que nós vamos dar a mais absoluta atenção a este caso. A ideia é que a investigação avance”, afirmou em entrevista coletiva na sede do MP, no centro da capital paulista.

O caso da vacina Covaxin, para imunização contra a Covid-19, envolve a suspeita de irregularidades no contrato de compra do imunizante pelo governo federal. Na época, o imunizante não tinha eficiência comprovada e tinha valor acima dos já aprovados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

A farmacêutica Precisa Medicamentos, laboratório brasileiro, era responsável pela intermediação na compra da vacina com o laboratório indiano Bharat Biotech e foi indiciada pela CPI da Covid.

O advogado Marcos Tolentino também está envolvido no caso. Ele é apontado pela comissão como “sócio oculto” da FIB Bank, empresa que teria dado garantias irregulares, segundo a CPI, para a Precisa Medicamentos seguir na negociação com o Ministério da Saúde pela compra da Covaxin – Tolentino nega as acusações.

O senador Randolfe Rodrigues também citou o pedido de investigação contra Otávio Fakhoury, outro indiciado pela CPI por “incitação ao crime”.
Ele já prestou depoimento à CPI, que aponta indícios e provas de que ele financiou disseminação de fake news, e é investigado no inquérito das fake news, do STF (Supremo Tribunal Federal).

Pelos envolvidos no caso da Covaxin e Fakhoury terem registros e serem residentes de São Paulo, uma apuração sobre os dois casos é de competência do MP paulista, na opinião de Randolfe Rodrigues.

CÂMARA MUNICIPAL
A CPI da Covid no Senado também se reuniu hoje com vereadores da Câmara Municipal de São Paulo, onde há uma CPI que investiga a empresa de seguros Prevent Senior.

Os senadores da comissão entregaram aos vereadores o relatório final da CPI e também irão compartilhar todos documentos obtidos pela investigação.
“A CPI da Câmara Municipal de São Paulo terá condições de aprofundar as investigações que, pela amplitude da CPI da pandemia e pelo pouco tempo que nós tínhamos, não foi possível o aprofundamento”, disse Randolfe Rodrigues.

Até agora, o foco da CPI municipal tem sido apurar desvios de conduta médica e científica e irregularidades nos documentos de alvará e licenciamento de hospitais da Prevent Senior na capital.