FolhaPress

‘Eu queria vacina! Vocês queriam propina!’, diz Randolfe ao rebater Bolsonaro

Senador rebateu as críticas feitas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em uma publicação compartilhada no Twitter

Randolfe Rodrigues
Foto: Agência Senado

O vice-presidente da CPI da Covid, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AM), rebateu as críticas feitas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em uma publicação compartilhada no Twitter contra emendas que queriam agilizar a compra de imunizantes contra a Covid-19 para o país. Segundo Randolfe, enquanto Bolsonaro queria “propina”, ele queria “vacinas”.

“É lógico que eu queria vacina o mais rápido possível. Salvar vidas, pra gente, não é brincadeira e não é algo que se negocie com intermediários. Queria a Janssen, a Covaxin, a AstraZeneca, a CoronaVac, a Pfizer… Nossa diferença é grande: eu queria vacina! Vocês queriam propina!”, publicou Randolfe.

Bolsonaro compartilhou um vídeo em que Randolfe aparece defendendo a autorização de uso emergencial das vacinas Sputnik V e Covaxin pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). As duas vacinas tinham autorizações de uso em outros países, mas na altura, o Brasil ainda não havia autorizado.

Segundo o presidente, a atitude de Randolfe estava aliada ao presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), e a Renildo Calheiros, irmão do relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL). Sem provas, Bolsonaro afirmou que “via emendas” os citados fizeram de “tudo” para que governadores e prefeitos pudessem comprar vacinas “a qualquer preço”.

Em contrapartida, Randolfe afirmou que a conta é paga pelo “povo brasileiro” e não pelo presidente do país e que fez emendas porque o governo federal não garantiu a compra de imunizantes e “sempre foi contra a vacina”.

Em entrevista à CNN na tarde de hoje, Randolfe afirmou que “chega a ser ridículo o tipo de desespero do Presidente da República”. O comentário foi feito após o parlamentar ser questionado sobre os ataques feitos nas redes sociais. Randolfe disse que o vídeo publicado por Bolsonaro foi ao ar após ser assinado um contrato superfaturado com a Precisa Medicamentos.

O senador também disse que não se sente intimidado e mandou um recado para Bolsonaro, ao vivo: “Presidente, pode seguir agredindo. Nós seguiremos te avaliando”. Momentos antes, o vice-presidente da CPI citou que não só o presidente como a família dele também tem interesse nos desdobramentos da CPI.