Larissa Passos
Do Mais Brasília

PRF faz barreiras para evitar fuga de Lázaro por rodovias federais

Policiais rodoviários têm efetuado fiscalização em barreiras nas BRs 070, 414 e 153, em busca do principal suspeito de cometer triplo homicídio no Incra 9, em Ceilândia

PRF
Foto: Divulgação/PRF

Desde o dia 9 de junho, quando Lázaro Barbosa de Souza, 32 anos, cometeu chacina no Incra Alexandre Gusmão, região rural de Ceilândia, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) tem efetuado fiscalização em barreiras na BRs 070, 414 e 153.

Segundo a PRF, as ações ocorrem diuturnamente com cerca de 45 policiais por dia, das regionais do Distrito Federal e Goiás. Os pontos de execução são baseados no acompanhamento da posição do fugitivo pela mata do cerrado.

“As abordagens são criteriosas e minuciosas, buscando identificar todos os ocupantes e pertences nos veículos, no intuito de não tornar a BR uma opção como rota de fuga. Está havendo também constante patrulhamento dos lotes situados ao logo das rodovias federais”, informou a corporação.

Os policiais rodoviários destacam que é fundamental o apoio de usuários da via também por meio de denúncias, informando a polícia sobre qualquer atividade que perceberem suspeita. As pessoas podem ligar para o número de emergência 191 com funcionamento de 24 horas por dia.

Relembre o crime

Lázaro Barbosa está foragido desde 9 de junho, quando assassinou com golpes de faca e tiros contra o empresário Cláudio Vidal, 48 anos, e os dois filhos, Gustavo Marques Vidal, 21, e Eduardo Marques Vidal, 15, em uma chácara no Núcleo Rural Alexandre Gusmão, em Ceilândia.

No dia do crime, ele ainda sequestrou a esposa e mãe das vítimas, Cleonice Marques, de 43 anos. O corpo da mulher foi encontrado no dia 12 de junho, em um córrego localizado no Sol Nascente, local conhecido como Córrego das Corujas, no meio da mata entre a BR-070 e a DF-180.

O Corpo de Bombeiros encontrou a vítima nua, de bruços e com diversos cortes no corpo. O laudo cadavérico apontou que Cleonice teve a orelha cortada, os cabelos cortados, foi executada com dois tiros na nuca e estava apenas de fraldas.

Após a chacina contra a família Vidal, Lázaro se tornou um fugitivo da polícia. Desde então, o homem tem cometido uma sequência de crimes entre o Distrito Federal e o Goiás.