Do Mais Brasília

Moradores relatam à força-tarefa que viram autor de chacina em Ceilândia pela BR-070

Procura por Lázaro Barbosa entra no sétimo dia. Relembre a trajetória de crimes

Entra no sétimo dia a caçada por, Lázaro Barbosa Sousa, principal suspeito de cometer um triplo homicídio no Incra 9, em Ceilândia/DF.  Na manhã desta terça-feira (15/6), moradores da região relataram à força-tarefa policial que viram o criminoso seguindo a pé pela BR-070. O homem estaria com uma mochila preta nas costas e não apresentava estar ferido.

Mais de 200 homens das polícias civil do DF e militar do DF e GO, rodoviária federal, penal e federal ocupam as regiões de Edilândia (GO) e Cocalzinho (GO) a procura do criminoso. Divididos em equipes, os agentes e militares ficam em pontos estratégicos e percorreram a região da mata. A equipe do Mais Brasília segue no local apurando os fatos.

Lázaro, 32 anos, assassinou com golpes de faca e tiros o empresário Cláudio Vidal, 48 anos e os dois filhos, Gustavo Marques Vidal, 21, e Eduardo Marques Vidal, 15, na quarta-feira (9/6). No dia do crime ele ainda sequestrou a esposa e mãe das vítimas, Cleonice Marques, 43. O corpo dela foi encontrado na manhã de sábado (12/6) em um córrego localizado no Sol Nascente,  local conhecido como Córrego das Corujas, no meio da mata entre a BR-070 e a DF-180. A mulher estava nua, de bruços e com diversos cortes no corpo.

Rastro de terror

Após o crime contra a família, Lázaro se tornou um fugitivo da polícia. Desde então, o homem tem cometido uma sequencia de crimes entre o Distrito Federal e Cocalzinho de Goiás (GO). Em muitos casos, o “modus operandi” se repete. Veja a trajetória do criminoso:

Madrugada de quarta-feira (9/6)

Por volta de 2h44, Lázaro Barbosa invadiu a chácara da família Vidal, localizada no Núcleo Rural Alexandre Gusmão, Km-13 da BR-070. No local ele matou o empresário Cláudio Vidal de Oliveira e os filhos Gustavo Marques Vidal e Carlos Eduardo Marques Vidal com golpes de faca e tiros. Em seguida sequestrou a mãe e esposa das vítimas, Cleonice Marques.

A mulher percebeu a invasão na casa e avisou a familiares por mensagem de voz. Os parentes que foram em socorro das vítimas encontraram o pai agonizando e os filhos já sem vida. Cláudio ainda conseguiu compartilhar com o cunhado que o criminoso tinha levado a mulher. Foi então que as buscas por Cleonice tiveram início pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), que assumiu o caso.

Também no dia 9 de junho, a PCDF compartilhou um histórico de crimes recentes.

No dia 17 de maio ele invadiu outra chácara, próximo ao local onde a Família Vidal foi assassinada. No local, os relatos dão conta que ele amarrou as vítimas e as ameaçou com revólver e faca. Lázaro ainda teria obrigado que todos ficassem nus e que as mulheres fizessem comida para ele.

Já em 26 de abril, Lázaro cometeu estupro e roubo contra uma mulher que abordou na rua. O caso é investigado pela Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam)

Quinta-feira (10/6)

Por volta das 15h, Lázaro invadiu uma nova chácara, na mesma região do triplo homicídio. No local ele fez a proprietária e o caseiro de reféns por cercas de três horas.

Às vítimas, o homem confessou ter matado a família e balbuciava palavras e frases desconectas. Ele fez uma refeição no local e obrigou os reféns a usarem droga com ele.

O homem fugiu levando uma arma de fogo, R$ 200 em espécie e algumas roupas.

Cleonice Vidal seguia desaparecida.

Sexta-feira (11/6)

Por volta das 20h, Lázaro invadiu uma chácara em Ceilândia. No local o suspeito fez o caseiro de refém e roubou um veículo Fiat/Pálio, cor branca. O criminoso utilizou esse automóvel na fuga e seguiu em direção a Cocalzinho de Goiás (GO). Na madrugada, por volta das 3h30, ele incendiou o veículo às margens da BR-070.

Cleonice Vidal ainda não tinha sido encontrada.

Sábado (12/6)

No início da tarde, o corpo de Cleonice Marques foi localizado em um córrego no Sol Nascente por familiares. Um irmão da vítima fez o reconhecimento e, posteriormente, a PCDF confirmou ou a identidade da mulher.

Neste mesmo dia, na parte da tarde, Lázaro invadiu outra chácara em Cocalzinho de Goiás (GO). O local pertence à família de um soldado da PMDF que atua no 8º Batalhão. Ali, o criminoso ingeriu bebida alcóolica e quebrou portas, janelas e vidraças. Ele ainda cortou a internet do local.

Por volta das 19h, uma nova chácara no local conhecido como Lagoa Samuel, em Cocalzinho (GO) foi ponto de visita do criminoso. Na casa estavam três homens, uma senhora de idade e uma criança. Ele atirou no trio, roubou duas armas, munições e fugiu pelo mato.

Duas das três vítimas ficaram em estado grave e foram encaminhadas para o hospital de Anápolis.

No fim do dia, por volta das 23h30 da noite, Lázaro ainda teria ateado fogo a uma outra chácara da região. Minutos depois, ele chegou a trocar tiros com a Polícia Militar de Goiás (PMGO). A polícia fechou o cerco na região.

Domingo (13/6)

Na manhã do domingo, a Polícia Federal (PF) e o Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) foram para Cocalzinho em reforço a procura por Lázaro Barbosa Sousa. Foragido há cinco dias, o criminoso já tinha deixado um rastro de terror em destruição em toda a região.

Também nesta manhã, por volta das 8h, três caseiros de uma chácara do município goiano afirmaram a polícia que encontraram com Lázaro. Os homens relataram que foram até a porteira, armados com foices e facões e viram o suspeito na entrada.

De acordo com o relato dos trabalhadores, ele fugiu pela mata fechada.

Já na parte do domingo, Lázaro quase foi capturado. Após invadir uma nova chácara e roubar um Corsa vermelho, o homem entrou novamente na BR-070 para fugir.

A polícia montou diversos pontos de bloqueio e seguiu na procura pelo automóvel. Por volta das 18h30, o carro foi encontrado abandonado na estrada, próximo à Edilândia (GO). Policiais e cães farejadores entraram na mata para localizar o suspeito.

Segunda-feira (14/6)

Durante todo o dia a procura pelo suspeito seguiu sendo realizada. Nenhuma movimentação foi registrada até a noite.

Por volta das 20h, Lázaro invadiu uma nova chácara e trocou tiros com o caseiro. Segundo o trabalhador, o criminoso chegou a ser atingido, mas não foi capturado.

Para a polícia, o homem informou que Lázaro invadiu a propriedade à procura de comida e que, após ele negar o acesso, eles trocaram tiros.

Novamente, as forças de segurança que atuam na ocorrência, PMDF, PMGO, PCDF, PRF e PF fecharam o cerco na região.

Também neste dia, a família Vidal foi velada e enterrada no cemintério Campo da Esperança de Taguatinga, no Distrito Federal.